quinta-feira, 10 de julho de 2008


.
Dar a pensar

.
«Nunca ninguém teve dúvidas que a verdade e a política estão em bastante más relações, e ninguém, tanto quanto saiba, contou alguma vez a boa-fé no número das virtudes políticas. As mentiras foram sempre consideradas como instrumentos necessários e legítimos, não apenas na profissão de político ou demagogo, mas também na de homem de estado. Por que será assim? E o que é que isso significa no que se refere à natureza e dignidade do domínio político, por um lado, e à natureza e à dignidade da verdade e da boa-fé, por outro? Será da própria essência da verdade ser impotente e da própria essência do poder enganar? E que espécie de realidade possui a verdade se não tem poder no domínio público, o qual, mais do que qualquer outra esfera da vida humana, garante a realidade da existência aos homens que nascem e morrem – quer dizer, seres que sabem que surgiram do não-ser e que voltarão para aí depois de um breve momento? Finalmente, a verdade impotente não será tão desprezível como o poder despreocupado com a verdade?»
Hannah Arendt, Verdade e Política, trad. port. de Manuel Alberto (Lisboa: Relógio d’Agua Ed., 1995) p. 9.

3 comentários:

Ruisituh disse...

Antes de mais queria cumprimentar o sr. professor Portugal! Este belo texto de Hannah Arendt retrata uma actualidade transacta e contemporânea do "sistema" que infelizmente é a política! Esta senhora, há que salientar, viveu a prosperidade da sua vida de adulta nos tempos da 2ª Grande Guerra!!! Supondo que tais palavras foram erigidas em tal epoca fascina-me a corragem de pessoas como Hannah ou Walter Benjamin (amigo e colega de Hannah!) Estas duas pessoas a par de muitos outros "revolucionários mentais" combateram com unhas e dentes os inimigos da sua liberdade! E um facto interessante é que Hannah fugiu ao nazismo precisamente pelo porto de Lisboa...onde embarcou rumo ao México!
Abraço!

Miguel Portugal disse...

De facto, Rui, o estar na vida com o pensamento filosófico exige coragem; o combate de e por ideias que nos conduzam a uma maior compreensão do mundo, incluíndo o mundo da acção política, exigem coragem intelectual, embora também serenidade; persistência, mas também equilíbrio; envolvimento, mas também distanciamento crítico... É filosofia! E Arendt foi, sem dúvida, uma das grandes filósofas de sempre, sobretudo no âmbito da filosofia política.
Quanto a este texto, ele foi escrito, não durante a 2.ª G.G., mas já nos anos sessenta, publicado pela primeira vez no The New Yorker em 1967, portanto, numa fase em que o totalitarismo pós-guerra ainda desferia os seus golpes opressores contra a, talvez desiciva, característica humana, que é a liberdade individual.

Grande abraço!

Rui Ramos disse...

É realmente notável a coragem, o pensamento e a inteligência que mantinham estes filósofos nesses tempos!! É o que falta hoje em dia! Há ideias criadas, apenas há que as aperfeiçoar e que ter coragem de ir para a frente porque o "nosso" mundo, o mundo de hoje está em maus lençóis, pois não se vê futuro assegurado e tudo devido à má acção política gerida pela febre do dinheiro=poder! Que bom que era ter a enorme coragem da Hannah nos dias de hoje!!!
Abraço!;)